Boas-vindas ao nosso estudo sobre a intersecção entre a comunidade autista e comunidade LGBTQIA+

Este estudo e direcionado a comunidade LGBTQIA+ e pretende aferir a prevalencia de autistas e pessoas neurodivergentes dentro da comunidade. Pretendemos identificar a intersecção e prevalência das duas comunidades. Mesmo que não sejam autistas, por favor preencham! Diversos estudos internacionais demonstram uma maior diversidade de orientação sexual e identidade de género na comunidade autista do que na comunidade não autista (Weir et al., 2021;George & Stokes, 2018), e queremos aferir se é replicável em Portugal, de forma a nos aconselhar e direcionar para potenciais projetos específicos de apoio.

Este estudo está dividido em 3 partes:

1 Questionário sobre orientação sexual e identidade de género

2 Teste quociente do espetro do Autismo (AQ) que permite verificar a quantidade de traços autistas numa pessoa

3 Escala de Toronto de Alexitimia (TAS-20) que mede a dificuldade em identificar e descrever emoções de uma pessoa

Se quiser receber as suas respostas por e-mail, pode adicionar o e-mail no final do formulário, ou o submeter sem preencher o e-mail. Se submeter o seu e-mail, será apenas utilizado para o envio dos resultados do teste ou para enviar os resultados do estudo, se tiver indicado que o pretende. O seu e-mail não será incluído na análise de dados do estudo, apenas as suas respostas ao teste. Ao submeter, indica que autoriza a APVA a processar os dados enviados. Pode ler sobre a nossa política de privacidade aqui.

Referência:

Adaptação portuguesa de São Luís Castro e César F. Lima. The Autism-Spectrum Quotient (AQ): Evidence from Asperger Syndrome/High-Functioning Autism, Males and Females, Scientists and Mathematicians (Baron-Cohen et al., 2001)

Verissimo R. (2001). Versão Portuguesa da Escala de Alexitimia de Toronto de 20-itens--I. Adaptação linguística, validação semântica, e estudo de fiabilidade [The Portuguese version of the 20-item Toronto Alexithymia Scale -- I. Linguistic adaptation, semantic validation, and reliability study]. Acta medica portuguesa, 14(5-6), 529–536.

Email